quinta-feira, 8 de abril de 2021

CANAL ARTE1 FIRMA PARCERIA COM O INSTITUTO INHOTIM PARA EXIBIÇãO DA SÉRIE DIÁLOGOS

  

    Duas instituições voltadas à arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade ao público. O Arte1 e o Instituto Inhotim firmaram uma parceria para a apresentação na TV da série Diálogos. As conversas exclusivas estreiam no canal a partir de 13 de Abril, com horário fixo na grade, sempre às terças-feiras, às 21h30.

A série Diálogos, criada pelo Instituto Inhotim em 2020, convida personalidades das artes plásticas, do teatro e da música para conversas sobre suas trajetórias. Entre os convidados estão Jards Macalé, Sara Ramo e Marilá Dardot. Os cinco episódios que vão ao ar no Arte1 somam milhares de visualizações no canal do Inhotim no YouTube. 

"Pensar no futuro dos museus é pensar em outros modos de se associar com o público, a não concentrar a sua comunicação em torno de si mesmo. Desde o primeiro contato com o Arte1, percebemos como esse tipo de troca é um ganho para todos: para a arte, para os veículos de comunicação e para o público", diz a gerente de Comunicação do Inhotim, Lorena Vicini.

Na TV, o público poderá assistir aos cinco episódios da série, que foram reeditados pela equipe do canal Arte1: "O diálogo que dá nome ao projeto não se limita ao que se passa diante da câmera, mas se estendeu --e muito-- para um trabalho de parceria mesmo entre as duas instituições. Para TV, alguns ajustes eram necessários e pudemos fazer isso. Ganhamos todos", conta a editora-chefe do Arte1, Gisele Kato.

No primeiro episódio, Antonio Grassi (diretor-presidente do Inhotim) conversa com o escritor português Valter Hugo Mãe e a artista brasileira Adriana Varejão. O resultado é um bate-papo generoso entre a literatura e as artes plásticas. "Eu, toda a vida, achei que os artistas plásticos poderiam solucionar aquilo que eu não conseguiria e fico tentando compor com palavras. Por isso meu fascínio e obsessão por eles e pela arte, que me poderiam ‘curar’. Talvez eu poderia ser uma pessoa normal se eu pudesse fazer arte", brinca Hugo Mãe. 

O Instituto Inhotim tem o patrocínio master do Instituto Cultural Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Anote a programação da série Diálogos:

13/4 - Literatura e artes plásticas (Antonio Grassi, Adriana Varejão e Valter Hugo Mãe) 








20/4 - A palavra e a linguagem (Douglas de Freitas, curador associado do Inhotim, e Marilá Dardot)
27/4 - Sara Ramo (Douglas de Freitas e Sara Ramo)
4/5 - Tunga (Antonio Grassi e Lia Rodrigues)
11/5 - Hélio Oiticica (Antonio Grassi e Jards Macalé)
Reprises: quarta-feira, às 12h; quinta-feira, às 10h30; sexta-feira, às 18h; domingo, às 20h30.
Os episódios também estarão disponíveis no streaming Arte1 Play. 

Acompanhe todo o conteúdo online do Inhotim:

YouTube

Facebook

Instagram

Fique por dentro da programação do canal Arte1:

https://www.facebook.com/canalarte1/ 

https://www.instagram.com/canalarte1/ 

https://twitter.com/canalarte1

https://www.youtube.com/canalarte1 

No streaming: 
https://arte1play.com.br/
https://www.looke.com.br/CHANNEL/ARTE1

 

segunda-feira, 5 de abril de 2021

CURTA! ON CELEBRA 46 ANOS DO GRUPO CORPO

 

46 anos do Grupo Corpo

Caso não queira mais receber mais nossos releases, é só clicar no link abaixo das assinaturas.

Abraços, Equipe Febre

 


Grupo Corpo no palco com ‘21’, espetáculo de 1992, com música de Marco Antônio Guimarães (Foto: Divulgação/Curta!On)

Curta!On celebra 46 anos do Grupo Corpo com quatro espetáculos e um documentário sobre seus 15 anos iniciais

UMA DAS MAIS IMPORTANTES COMPANHIAS DE DANÇA DO BRASIL É TEMA DE ESPECIAL NO CLUBE DE DOCUMENTÁRIOS DO NOW

O Grupo Corpo, uma das mais consagradas companhias de dança brasileiras, completa 46 anos em 2021 e 45 desde a estreia de seu primeiro espetáculo, o sucesso “Maria Maria” —  com música original de Milton Nascimento — que ficou uma década em cartaz. Para comemorar sua trajetória, o Curta!On — clube de documentários do Curta! no NOW, da NET /Claro —, preparou com exclusividade o Especial Grupo Corpo, que leva ao streaming quatro coreografias e um documentário sobre os primeiros anos da companhia mineira sediada em Belo Horizonte.

A partir de Abril, o assinante do Curta!On poderá assistir aos espetáculos “21” (1992), Onqotô” (2005), “Sem Mim” (2011) e “Lecuona” (2004) — que, dia 6 de Abril, também estará no canal Curta!, na TV paga linear —  além do “Documentário Histórico de Maria Maria até Missa do Orfanato”, que conta os primeiros 15 anos de existência do Grupo Corpo. 

Liderado pelos irmãos Pederneiras — Rodrigo, o coreógrafo, e Paulo, o diretor artístico —, o Grupo Corpo se tornou referência no cenário da dança brasileira e conquistou reconhecimento internacional. Durante três anos, entre 1996 e 1999, a companhia fez residência em Lyon, na França, quando estreou algumas de suas criações coreográficas em terras europeias. Com 40 espetáculos criados até hoje, a companhia já se apresentou em países como Islândia, Coreia do Sul, Líbano, Estados Unidos, Cingapura, Itália, França, Japão, entre muitos outros.

Confira as sinopses das produções do Especial Grupo Corpo, no Curta!On:

21 (1992)- "21" é um divisor de águas na história do Grupo Corpo. Depois de atuar por uma década com temas musicais pré-existentes, a companhia mineira volta, com este balé, a trabalhar com música especialmente composta. Da teia de combinações de ritmos e de timbres em torno do número 21, contida nas partituras criadas por Marco Antônio Guimarães — diretor artístico do Uakti —, o coreógrafo Rodrigo Pederneiras cria uma escritura coreográfica cujo pulso, ou impulso, é de transpiração matemática. O resgate da ideia de trabalhar com uma trilha feita sob encomenda permite também que o Grupo Corpo avance na investigação de um vocabulário próprio identificado com suas raízes brasileiras.

Lecuona (2004)- Em 2004, o Grupo Corpo rende-se à genialidade do maior ícone da música cubana, o pianista Ernesto Lecuona, e decide abrir uma exceção à regra estabelecida em 1992, de só trabalhar com trilhas exclusivas, para colocar em cena o balé que leva o seu nome: “Lecuona”. Os casais se sucedem decantando paixões, segundo roteiros que vêm tanto do romantismo mais desbragado quanto do realismo sem máscara de cada um de nós. O figurino remete a um grande salão de bailes à moda antiga; mas o que é antigo aqui vira a imagem teatral do que há de mais permanente na vida amorosa e erótica. “Lecuona” é uma dança da paixão: tortuosa, difícil, divertida, alegre, impossível.

Onqotô (2005)– A perplexidade e a pequenez do homem diante da vastidão do universo são o tema central de "Onqotô", balé que, em 2005, marcou as comemorações dos 30 anos do Grupo Corpo. Assinada por Caetano Veloso e José Miguel Wisnik, a trilha sonora tem como ponto de partida uma bem-humorada discussão sobre a paternidade do universo. Na coreografia criada por Rodrigo Pederneiras, verticalidade e horizontalidade, caos e ordenação, volume e escassez se contrapõem e se superpõem com a trilha musical, desvelando significados, melodias e ritmos que subjazem ao estímulo sonoro. Este episódio mostra o processo de criação desse balé comemorativo.

Sem Mim (2011)- O mar (de Vigo), que leva e traz de volta o amado, o amigo, é o que dá vida e movimento a “Sem Mim”. O balé é embalado pela trilha original urdida a quatro mãos pelo espanhol Carlos Núñez e pelo brasileiro José Miguel Wisnik, a partir do único conjunto de peças do cancioneiro profano medieval galego-português que chegou aos nossos dias. Nas sete canções, datadas do século XIII, o poeta se pronuncia sempre em nome da mulher; mais especificamente de jovens apaixonadas que pranteiam a ausência ou festejam a iminência do regresso do amado-amigo. Na avidez do reencontro, elas confidenciam ora com o mar, ora com a mãe, ora com amigas. E, para aplacar ou fustigar o seu desejo, saem a banhar-se nas ondas do mar de Vigo.

Documentário Histórico de Maria Maria até Missa do Orfanato - Fundado em 1975, o Grupo Corpo estreou no ano seguinte sua primeira obra, "Maria Maria". Com música especialmente composta por Milton Nascimento, o balé ficou quase uma década em cartaz e percorreu 14 países. Nos oito anos seguintes, o Grupo Corpo colocou em cena seis novas coreografias assinadas por Rodrigo Pederneiras, que assume o posto de coreógrafo-residente e, juntamente com o irmão, Paulo Pederneiras, diretor artístico da companhia, começa a moldar a personalidade do Grupo. Este documentário mostra um pouco dos primeiros 15 anos de história do Grupo Corpo. Abrange os acontecimentos desde a sua fundação, em 1975 e a estreia da sua primeira obra, "Maria Maria", até o final dos anos 1980, quando o Grupo Corpo se firma no cenário da dança mundial com personalidade própria e sucesso reconhecido.

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1PqSbEk42f8Ld9HQMfkczJ5wqX6I0MTad?usp=sharing
PROMO: https://youtu.be/JqyjN7dJ1pA

 

 

Sobre o Grupo Curta! - O Grupo Curta! tem como missão a difusão de conteúdos audiovisuais relevantes nas áreas de artes e humanidades, sejam brasileiros ou estrangeiros, através da TV linear (canal CURTA!), de plataformas de streaming de operadoras de telecom e da internet. A curadoria de conteúdos é, portanto, o motor central do grupo e foi uma das que mais aprovaram projetos originais para financiamento da produção pelo Fundo Setorial do Audiovisual: já foram mais de 120 longas documentais e 800 episódios de 60 séries que chegam ao público em primeira mão através de suas janelas de exibição:

O canal Curta!, linear, está presente nas residências de mais de 10 milhões de assinantes de TV paga e pode ser visto nos canais 556 da NET / Claro TV, 75 da Oi TV e 664 da Vivo Fibra, além de em operadoras associadas à NeoTV; 

Curta!On, o novo clube de documentários do Curta!, no NOW da Claro/NET, conta com mais de 450 filmes e episódios de séries documentais, organizadas  por temas de interesse como Música, Artes, MetaCinema, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mitologia e Religião, Sociedade e Pensamento. Há também pastas especiais com novidades – que estreiam a cada mês –, conteúdos originais exclusivos, biografias, além de uma degustação para quem ainda não é assinante do serviço.

Tamanduá TV, plataforma marketplace aberta para qualquer internauta, já reúne mais de quatro mil conteúdos. O usuário pode alugar filmes e séries específicos ou assinar de forma econômica um dos pacotes que contêm conteúdos segmentados por área de interesse: CineBR, CineDocs, CineEuro, CurtaEducação (para professores e estudantes do Ensino Médio e Enem), MetaCinema (para aficcionados e estudantes de Cinema), entre outros.  Os pacotes CineBR, CineDocs e CineEuro são disponibilizados desde 2018 como serviço de valor agregado (SVA) para perto de oito milhões de assinantes de banda larga fixa (ISP) da operadora CLARO, sem custo adicional. 

As atividades do Grupo Curta! também promovem a geração de royalties para produtores audiovisuais independentes, com a exploração de seus direitos audiovisuais nas diferentes janelas de streaming. O pacotes Cines da Tamandua TV e do Curta!ON estão repassando anualmente mais de R$ 1,5 milhão de reais em royalties para os produtores dos conteúdos que difunde.


"ASSIM VIVEMOS - FESTIVAL INTERNACIONAL DE FILMES SOBRE DEFICIÊNCIA"

 

Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência terá edição online e gratuita de 10 a 14 de Abril

 

COM RECURSOS DE ACESSIBILIDADE, SERÃO EXIBIDOS 14 FILMES DE EVENTOS ANTERIORES E DOIS INÉDITOS, ALÉM DE QUATRO DEBATES

 

Cena de ‘Quem é o último?’, média-metragem da Bielorrússia (divulgação)

 

 

O Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência – o mais importante e longevo evento de cinema sobre o tema -, realiza uma edição online e gratuita entre 10 e 14 de Abril. Com uma seleção especial, serão exibidos 14 filmes premiados e consagrados anteriormente e dois brasileiros inéditos, além de quatro debates. Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc, apresentam o evento.

As produções - curtas, médias e longas-metragens - vêm de 11 países: Bielorrússia, Brasil, Canadá, Espanha, França, Irã, Israel, Moçambique, Mianmar, Rússia e Tailândia. Cada dia do festival terá uma temática, que motivam os debates: “Arte e Diversidade”, “Escola e Vida Independente”, “Vida Amorosa e Autonomia” e “Autismo e Neurodiversidade”, realizados após a segunda sessão de cada dia. Participam dos bate-papos pessoas com deficiência e profissionais que atuam diretamente com os temas trazidos pelos filmes, entre eles, diretores de produções nacionais.

Filmes e debates contarão com recursos de acessibilidade como a audiodescrição e as legendas LSE (para surdos e ensurdecidos), além interpretação em LIBRAS. Será distribuído gratuitamente por e-mail material didático com sugestões de atividades para professores e profissionais da área, inspirado nos temas retratados pelos filmes, podendo ser aplicadas tanto para alunos como para professores.

Sempre tivemos uma demanda muito grande de pessoas e instituição querendo os filmes do Assim Vivemos para exibir nos seus espaços de trabalho. Profissionais de outros estados onde o festival presencial não percorre, solicitavam o acervo, porém por questões de direitos de exibição nunca podíamos atender. Agora, com a versão online do festival, estamos tendo a chance de ampliar esse alcance. O Assim Vivemos Online está sendo preparado com ambiente virtual acessível e recursos de acessibilidade comunicacional para que todos em qualquer lugar do mundo, possam acessar com facilidade" – comenta Graciela Pozzobon, diretora do festival.

Para participar, basta entrar no site www.assimvivemos.com.br  Os filmes estarão reunidos em sessões diárias, às 15h e 17h. Os debates acontecem sempre após a segunda sessão, às 19h e, para participar, será disponibilizado outro link no site do evento. Após a exibição do dia, as produções ficam disponíveis até dia 14, o último dia do festival.

Esta edição online só foi possível porque a Cinema Falado Produções, organizadora do festival, foi contemplada no edital Lei Aldir Blanc. Realizado bienalmente desde 2003 – há 18 anos – no segundo semestre de 2021 está prevista a 10ª edição com produções inéditas. O evento será presencial nas cidades do Rio de Janeiro, de Brasília e de São Paulo. As inscrições para os filmes estão abertas até 12 de Abril na plataforma FilmFreeway, através do link:

https://filmfreeway.com/assimvivemos

 

Para conferir a programação completa do Assim Vivemos, acesse: http://www.assimvivemos.com.br

 

Para fotos dos filmes, clique aqui:  https://drive.google.com/drive/folders/1ZtUk8BAwE5WIxrz5VxRI0tXi-OmJTAHb?usp=sharing

 

Para imagens dos filmes no youtube, clique aqui: https://youtu.be/Oil3zn6Dgv0

Para fazer download das imagens dos filmes, clique aqui: https://vimeo.com/529448841/5de1ebc53d

 

OS FILMES PARTICIPANTES

 

Bielorrússia

Quem É O Último? - Who Is The Last One? (Bielorrússia, 2018, 60 min.) Dir. Siarhei Isakov

O filme retrata um projeto teatral no qual crianças com e sem autismo atuam juntas no palco, mostrando como os professores trabalham e como conseguem unir crianças com diferentes necessidades emocionais, físicas e mentais. No filme, conhecemos quatro personagens, Kostya, Misha, Vlada e Maxim. Na tela, vemos crianças estudando e ensaiando com dedicação no teatro.

 

Brasil

Estrangeiros (Brasil, 2013, 20 min.) Dir. Sônia Machado Lima

A fala tem poder e se impõe como forma superior de comunicação, forçando pessoas surdas a aprenderem a repetir sons que não conseguem ouvir. É um esforço tremendo – e é desgastante. Até que, muitas vezes chega o momento em que o surdo descobre que foi inútil o tempo em que tentou aprender algo que simplesmente não lhe servia. O filme pretende mostrar um caminho de descoberta, dúvida, silêncio, alegria, aceitação, incompreensão e afirmação.

 

Mona (Brasil, 2019, 6 min.) Dir. Lucca Messer

Em 2017, Mona se torna a primeira mulher negra cadeirante a se apresentar no Teatro Municipal de São Paulo, Brasil. Quebrando barreiras no mundo da dança, Mona também representa a superação de preconceitos cotidianos contra pessoas negras na maior cidade da América do Sul. Como bailarina e atriz, ela é hoje um símbolo nacional de resistência.

 

O Que Pode Um Corpo? (Brasil, 2020, 15 min.) Dir. Victor Di Marco e Márcio Picoli

Um bebê nasce, mas não chora. Um corpo grita e não é ouvido. As tintas que escorrem em um futuro prometido, não chegam em uma pessoa com deficiência. Victor faz de si a própria tela em um universo de pintores ausentes.

 

Stimados Autistas (Brasil, 2020, 55 min.) Dir. Cristiano de Oliveira

Adultos autistas diagnosticados tardiamente falam com outro autista sobre como foi crescer sem o diagnóstico, como foi a busca por profissionais e sobre as adaptações feitas após descobrirem que são autistas.

 

Canadá

Somos Todos Daniel - We Are Daniel (Canadá, 2009, 92 min.) Dir. Jesse Heffring

No verão de 2007, estudantes da Escola Summit de Montreal com deficiências intelectuais, emocionais e comportamentais ensaiam uma complexa peça de teatro musical. A peça conta a jornada de um estudante com autismo que chega em uma nova escola. O documentário acompanha os ensaios da peça, dando destaque a seis estudantes, seus pais e professores. Autismo, Asperger, Síndrome de Down, TORCH Syndrome, A.D.D., suas manifestações e consequências são reveladas. Essa jornada, em que às vezes a ficção se mistura com a realidade, revela a beleza desses jovens, suas habilidades e o fascinante efeito de sua honestidade.

 

Espanha

O Que Tem Debaixo do Seu Chapéu? - What’s Under Your Hat? (Espanha, 2006, 75 min.) Dir. Lola Barrera e Iñaki Peñafiel

Judith Scott é uma artista, uma escultora, que trabalha em um espaço pouco usual: o isolamento causado por sua deficiência. Ela nasceu com Síndrome de Down e não falava. Aos sete anos, foi considerada incapacitada. "Alto grau de retardo mental": este foi o diagnóstico e a razão pela qual ela foi separada de sua família. Ninguém percebera que ela era surda até os seus 40 anos de idade. Passou a maior parte da vida esquecida, internada em instituições. Sua irmã gêmea, que não é portadora de deficiência, vai em busca da irmã e nos ajuda a remontar sua história. Judith agora é uma artista reconhecida. Seus trabalhos são exibidos em museus e galerias de todo o mundo e têm um alto valor de mercado. Uma arte que não tem nada a ver com a razão? Uma solitária, profunda e misteriosa expressão da alma: é isso que ela nos oferece.

 

França

A Largura e o Comprimento do Céu – The Length and Breadth of the Sky (França, 1998, 26 min.) Dir. Dominique Margot.

Jean-Claude Grenier nasceu em Orleans, França, com a condição conhecida como "ossos de vidro". Por muitos anos, esteve envolvido em trabalhos sociais, até que foi descoberto por Geneiève de Kermabon e convidado para a versão teatral do clássico filme de Tod Browning, “Freak”. Grenier excursionou pela Europa com o ARCHAOS Circus, fez aulas de interpretação e aperfeiçoou suas habilidades dramáticas. Trabalhou com Joël Jouanneau, Karim Didri, Rollando Colla e Anne-Laure Rouxel, entre outros. O filme mostra Jean-Claude Grenier no trabalho e nas ruas, encontrando-se com a família e participando de uma festa com os amigos.

 

Soluções Promissoras - Hopeful Solutions (França, 2012, 52 min.) Dir. Romain Carciofo

O filme remonta a investigação de Romain Carciofo sobre o autismo. O diretor atravessa a França para responder uma questão: Como as pessoas com autismo e suas famílias são assistidas na França? Esse tocante documentário ilumina a situação alarmante das pessoas que sofrem de autismo e mostra como seus parentes estão lidando com esse transtorno.

 

Irã

Beleza Desconhecida – Unknown Beauty (Irã, 2014, 47 min.) Dir. Mahboubeh Honarian

Beleza Desconhecida é um tocante documentário que retrata a vida de três mulheres no Irã que tentam levar uma vida independente e sair do isolamento. Apesar de suas lutas diárias em um país que lhes oferece serviços precários, essas mulheres iranianas aceitam suas deficiências e trabalham duro para desenvolver seus talentos artísticos.

 

Quando Brilha Um Raio de Luz - When a Line of Light Shines (Irã, 2010, 19 min.) Dir. Shahriar Pourseyedian

Mitra é uma moça com deficiência física de uma aldeia de natureza exuberante em Talesh, no Irã. Sua irmã, Jamileh, é surda. Aparentemente, o destino concedeu a elas aptidões complementares. Como resultado, as duas irmãs desenvolveram um relacionamento forte e intenso. A deficiência física de Mitra não a impediu de descobrir o talento para o desenho e de cultivar a alegria de viver.

 

Israel

Independente – Indie-capped (Israel, 2015, 33 min.) Dir. Ariela Alush

Eldar Yusopov nasceu no Usbequistão há 27 anos, mas durante seu parto houve complicações e o médico perguntou a seu pai quem deveria viver – Eldar ou sua mãe. Rafael, o pai, decidiu que sua mulher, Mira, deveria viver, e Eldar nasceu morto. Mas, contra todas as previsões médicas ele reviveu, com paralisia cerebral, e, desde então, faz de tudo para se posicionar e fazer-se ouvir. Ele não consegue falar nem segurar uma caneca, mas escreve roteiros de filmes com apenas um dedo e interpreta o personagem principal como se fosse o Brad Pitt. Mas seus pais não permitem que viva sozinho e na sua busca por independência ele tem que provar – para si mesmo e para sua família, que ele pode ser um cara normal como todos a sua volta. Essa é uma história sobre perseverança e autoestima, e sobre um grande desejo de falar de amor, mesmo não conseguindo se mover ou mesmo falar.

 

Moçambique

De Corpo e Alma – Body and Soul (Moçambique, 2010, 57 min.) Dir. Matthieu Bron 

A vida de três jovens com deficiência física que moram em um subúrbio de Maputo, capital de Moçambique. Eles dão exemplo de autoestima, perseverança e criatividade para superar os desafios físicos e emocionais do dia a dia.

 

Mianmar

Uma Menina em 10 x 10 - A Girls in 10 x 10 (Myanmar, 2017, 29 min.) Dir. Mai May Sakarwah, Mary, Yu Par Mo Mo

Ngu Wah Hlaing foi abandonada por sua mãe quando era um bebê por causa de sua deficiência. Uma monja e seu filho, que é transgênero, a adotaram e a amam. Atualmente, Ngu Wah Hlaing tem 11 anos de idade, mas não sabe ler e escrever porque é recusada pelas escolas devido à sua deficiência.

 

Rússia

Ver e Crer - Seeing is Believing (Rússia, 2007, 13 min.) Dir. Tofik Shakhverdiev

Sergey tem 22 anos. É cego desde os oito. Está no terceiro ano da universidade, onde estuda computação. É muito independente e adora praticar esportes - futebol e judô. Sergey aprendeu a perceber a trajetória da bola através da audição. Desenvolveu esta capacidade jogando "golbol" # um jogo semelhante ao futebol, jogado por pessoas com deficiência visual parcial ou total. O filme mostra um pouco da sua vida # seus amigos, hobbies, estudos e esportes favoritos.

 

Tailândia

Dentro de Mim – Inside of Me (Tailândia, 2015, 22 min.) Dir. Sophon Shimjinda

Cherry é uma mulher transgênero com deficiência. Ela deseja o amor de um homem, embora possa comprar satisfação física em um bar. Mas o que ela mais anseia é o amor de sua mãe e de seu pai.

 

Sobre o Festival Assim Vivemos 

Realizado desde 2003, o Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, conta com o patrocínio do Centro Cultural Banco do Brasil. Evento bienal, promove a reflexão sobre temas como preconceito, invisibilidade social, mobilidade, afeto, superação, autonomia, inclusão e acessibilidade, trazendo para o Brasil o melhor da produção audiovisual mundial sobre o assunto. 

Entre suas produções estão curtas, médias e longas metragens de diferentes nacionalidades que formam um mosaico diverso, abrangente e rico sobre as questões que envolvem as pessoas deficientes e consequentemente toda a sociedade. Em todas as sessões são disponibilizados recursos de acessibilidade como a audiodescrição e legendas LSE (para surdos e ensurdecidos) e interpretação de LIBRAS.

O Assim Vivemos já se consolidou como um importante espaço de reflexão já que também promove debates e oficinas sobre temas levantados pelos filmes, onde pessoas com deficiência e profissionais de referência com e sem deficiência se encontram. Com curadoria delicada e cuidadosa, que busca dar o espaço de fala e o protagonismo para as pessoas com deficiência contarem suas histórias, o Festival Assim Vivemos se revela uma experiência que encanta e transforma todos os públicos. 

 

Assim Vivemos - Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência

De 10 a 14 de Abril de 2021 

Edição online a gratuita através do site www.assimvivemos.com.br

Duas sessões de filmes por dia, às 15h e 17h, seguidas de debate, às 19h

 

quarta-feira, 31 de março de 2021

DITADURA NUNCA MAIS! VEJA SEIS DOCUMENTÁRIOS NO CURTA!

 

 


Cena do documentário "Condor" (Foto: Divulgação/Curta!On)

Ditadura X Democracia: Seis documentários do Curta!On para refletir sobre o tema

Ditaduras não devem ser comemoradas e nem esquecidas. É tempo de refletir sobre o autoritarismo e as violências cometidas em regimes ditatoriais, assim como é importante pensar nos desafios que enfrentam os regimes democráticos.

Por isso, o Curta!On – o clube de documentários do canal Curta! no NOW, da NET / Claro – indica algumas de suas produções. Confira:

O Dia Que Durou 21 Anos – O documentário do diretor Camilo Galli Tavares, dividido em três episódios, traz detalhes sobre a participação dos Estados Unidos no golpe militar de 1964 no Brasil, bem como importantes documentos americanos considerados como secretos durante o regime. A produção apresenta textos de telegramas, áudio de conversas telefônicas, depoimentos e imagens inéditas. A narração fica por conta do jornalista Flávio Tavares, que participou da luta armada, foi preso, torturado e exilado político. 

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1F-GW_BUYmqeM2RHRDIcbq9LUxvUMeaLq?usp=sharing

Democracia em Preto e Branco: Narrado por Rita Lee e dirigido por Pedro Asbeg, o documentário “Democracia em Preto e Branco” aborda o movimento ideológico-futebolístico chamado “Democracia Corinthiana”, focando sobretudo na figura de Sócrates, jogador do Corinthians. O longa, produzido pela TV Zero, mostra o panorama esportivo, musical e político de uma época em que o país fervilhava em meio a greves e protestos pelas eleições diretas.

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1bEhMKic31B9np311KCJb16NmoRWNma3c?usp=sharing

Sobral – O Homem Que Não Tinha Preço: O documentário relembra a trajetória do jurista Heráclito Sobral Pinto, que ganhou visibilidade ao defender a democracia durante a ditadura militar. O longa-metragem é dirigido pela neta do jurista, a cineasta Paula Fiuza, e traz uma série de depoimentos de advogados e historiadores, além de imagens de arquivo que revelam o advogado e ressaltam a importância de seu trabalho na defesa da justiça e dos direitos humanos. Um dos depoimentos do filme é de Anita Leocádia Prestes, filha dos militantes comunistas Luiz Carlos Prestes e Olga Benário.

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1wCr4fg7HzORpOD_b0sQ4g3mw0Y4KJgEB?usp=sharing

Condor: As diferentes versões sobre a conexão entre as ditaduras militares do Cone Sul nos anos 1970 estão em “Condor”, documentário de Roberto Mader sobre a operação militar de mesmo nome. O filme apresenta depoimentos de vítimas e de algozes, que revelam como Brasil, Argentina, Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai perseguiram, torturaram e mataram, com apoio logístico e financeiro dos Estados Unidos, militantes de esquerda contrários aos regimes militares desses países.

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1evYBKYb_Yg-RGDUcGvfF1-MxB4gOhC6q?usp=sharing

Operação Camanducaia:  O documentário de Tiago Rezende de Toledo mistura os estilos de road-movie, investigativo e filmes de diálogos para contar uma história de 1974, que foi esquecida por nossa memória coletiva. Naquele ano, aproximadamente 93 crianças e adolescentes foram arbitrariamente presos pela polícia de São Paulo e levados clandestinamente para Minas Gerais. Na altura da cidade de Camanducaia, foram despidos, espancados e jogados num barranco. Na manhã seguinte, apenas 41 deles apareceram nus, famintos e machucados, invadindo bares e restaurantes para se cobrir e se alimentar. A história causou conflitos diplomáticos e chocou a sociedade da época. Partindo do palco do episódio, a cidade de Camanducaia, o filme busca encontrar os envolvidos, especialmente os sobreviventes, numa jornada de 10 anos que culmina com a entrevista de mais de 40 pessoas e 1.500 páginas de documentos e jornais. 

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1stqUkm0oxD_va48DG5HeuNW9uIPgZwTz?usp=sharing 

O Paradoxo da Democracia: O filme de Belisario Franca mostra que a noção de democracia foi posta em xeque em nações como Brasil, Estados Unidos, França, Egito e Ucrânia, por meio de fortes manifestações que culminaram na queda de governos, seja por vias eleitorais ou por golpes de estado. Pensadores respeitados em todo o mundo, como Jacques Rancière e Juan Carlos Monedero, analisam os diferentes contextos sociais em que está inserido esse sentimento de insatisfação, que parece unificar sociedades tão díspares.

FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1mNiKkCjM2LTSI7UmiaOOWhJ931EMlDB3?usp=sharing

 

 

Sobre o Grupo Curta!

O Grupo Curta! tem como missão a difusão de conteúdos audiovisuais relevantes nas áreas de artes e humanidades, sejam brasileiros ou estrangeiros, através da TV linear (canal CURTA!), de plataformas de streaming de operadoras de telecom e da internet. A curadoria de conteúdos é, portanto, o motor central do grupo e foi uma das que mais aprovaram projetos originais para financiamento da produção pelo Fundo Setorial do Audiovisual: já foram mais de 120 longas documentais e 800 episódios de 60 séries que chegam ao público em primeira mão através de suas janelas de exibição:

O canal Curta!, linear, está presente nas residências de mais de 10 milhões de assinantes de TV paga e pode ser visto nos canais 556 da NET / Claro TV, 75 da Oi TV e 664 da Vivo Fibra, além de em operadoras associadas à NeoTV; 

Curta!On, o novo clube de documentários do Curta!, no NOW da Claro/NET, conta com mais de 450 filmes e episódios de séries documentais, organizadas  por temas de interesse como Música, Artes, MetaCinema, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mitologia e Religião, Sociedade e Pensamento. Há também pastas especiais com novidades – que estreiam a cada mês –, conteúdos originais exclusivos, biografias, além de uma degustação para quem ainda não é assinante do serviço.

Tamanduá TV, plataforma marketplace aberta para qualquer internauta, já reúne mais de quatro mil conteúdos. O usuário pode alugar filmes e séries específicos ou assinar de forma econômica um dos pacotes que contêm conteúdos segmentados por área de interesse: CineBR, CineDocs, CineEuro, CurtaEducação (para professores e estudantes do Ensino Médio e Enem), MetaCinema (para aficcionados e estudantes de Cinema), entre outros.  Os pacotes CineBR, CineDocs e CineEuro são disponibilizados desde 2018 como serviço de valor agregado (SVA) para perto de oito milhões de assinantes de banda larga fixa (ISP) da operadora CLARO, sem custo adicional. 

As atividades do Grupo Curta! também promovem a geração de royalties para produtores audiovisuais independentes, com a exploração de seus direitos audiovisuais nas diferentes janelas de streaming. O pacotes Cines da Tamandua TV e do Curta!ON estão repassando anualmente mais de R$ 1,5 milhão de reais em royalties para os produtores dos conteúdos que difunde.


   

terça-feira, 23 de março de 2021

ELITE FILMES DIVULGA TRAILER DE " A VIDA SOLITÁRIA DE ANTONIO LINGABUE"

 

 

 

Ator Elio Germano ganhou o Urso de Prata em 2020

 

 

A Elite Filmes divulga o trailer de “A Vida Solitária de Antonio Lingabue”, longa que acumula sete prêmios em festivais de cinema internacionais. Protagonizado por Elio Germano, vencedor do Urso de Prata no 70º Festival Internacional de Cinema de Berlim (2020), o filme é escrito e dirigido por Giorgio Diritti, que ganhou o Globo de Ouro italiano (2020) por esse trabalho na categoria de melhor filme. Bem recebido pela crítica internacional, o longa estreia no Brasil no primeiro semestre de 2021.

Para assistir ao trailer, clique aqui.

 

A cinebiografia, premiada também pelo Sindicato Italiano Nacional de Jornalistas de Cinema, narra a história do pintor suíço, que desde pequeno sofria bullying dos colegas de escola. Com transtornos mentais, Ligabue foi internado em diferentes instituições psiquiátricas até ser expulso de seu país e imigrar para Itália. Lá, passou por dificuldades. Entre entradas e saídas de sanatórios, descobriu sua vocação para as artes e nunca desistiu dela.  
  • A Vida Solitária de Antonio Ligabue (Volevo Nascondermi aka Hidden Away) Biografia – Itália (2020)
Sinopse: Antônio é expulso da Suíça para a Itália. Durante anos vive na pobreza do campo, mas nunca desiste da paixão pelo desenho. Essa é a história de Antonio Ligabue, um solitário e revolucionário artista da arte moderna.
 
Direção: Giorgio Diritti
 
Elenco: Elio Germano, Oliver Ewy, Leonardo Carrozzom, entre outros.
 
Prêmios:
  • Festival Internacional de Berlim (2020): Urso de Prata (Elio Germano)
  • Festival Internacional Capri Hollywood (2020): Melhor Ator (Elio Germano)
  • European Film Awards (2020): Melhor Fotografia (Matteo Cocco), Melhor Figurino (Ursula Patzak)
  • Globo de Ouro (Itália – 2020): Melhor Fotografia (Matteo Cocco) e Melhor Filme
  • Sindicato Italiano Nacional dos Jornalistas de Cinema: Silver Ribbon of the Year
O Cinema Virtual é uma plataforma de streaming desenvolvida em parceria com os cinemas que traz a experiência das salas de exibição para dentro de casa. Com estreias sempre na quinta-feira, o Cinema Virtual exibe produções inéditas e exclusivas que chegam a todo Brasil, inclusive a cidades que ainda não contam com salas de cinema. Para assistir aos filmes, o público pode acessar a plataforma pelo NOW ou escolher a sala de exibição preferida em www.cinemavirtual.com.br e realizar a compra do ingresso. O filme fica disponível durante 72 horas para até três dispositivos.
 
Acompanhe nossas redes sociais:  

https://www.instagram.com/cinema.virtual/  

https://www.facebook.com/CinemaVirtual.BR/

https://www.youtube.com/c/CinemaVirtual